quinta-feira, 16 de abril de 2009

Livro do Desassossego

Neste desafio de ser, eu estou lendo um livro há muito guardado "Livro do Desassossego", de Fernando Pessoa, e fico pensando como é que alguém traduz tão bem o que vai na sua alma, sem nem mesmo ter te conhecido. É de uma genialidade incrível, um livro imperdível, para quem está reciclando lixos, como eu. Divido alguns trechos com vocês.

"Nós nunca nos realizamos.
Somos dois abismos - um poço fitando o céu"

"Pedi tão pouco à vida e esse mesmo pouco a vida me negou. Uma réstia de parte do sol, um campo próximo, um bocado de sossego com um bocado de pão, não me pesar muito o conhecer que existo, e não exigir nada dos outros nem exigirem eles nada de mim. Isto mesmo me foi negado, como quem nega a esmola por falta de boa alma, mas para não ter que desabotoar o casaco"

"Conquistei, palmo a pequeno palmo, o terreno interior que nascera meu. Reclamei, espaço a pequeno espaço, o pântano em que me quedara nulo. Pari meu ser infinito, mas tirei-me a ferros de mim mesmo".

4 comentários:

  1. Empresto assim que terminar. Vc vai adorar!

    ResponderExcluir
  2. não era seu pai quem gostava mto de Fernando Pessoa?

    ResponderExcluir
  3. Ele gostava, mas era fã mesmo de Mário Quintana e Cecília Meireles.

    ResponderExcluir